terça-feira, março 07, 2006

ANÕES BESUNTADOS

Existem coisas que só ocorrem em uma mesa de bar, bem como assuntos que nascem e morrem neste “divã etílico”. A mesa de bar possui a sacralidade confessional, tal qual seu equivalente católico, é permeada de símbolos e cumplicidade. Tudo que é dito e ouvido é prontamente esquecido, mesmo que para isso todos tenham que sofrer a famigerada amnésia alcoólica.
Os habitués de bares e similares sabem do que estou falando; aqueles momentos únicos onde – por um brevíssimo instante – a pessoa ao seu lado torna-se inacreditavelmente confiável, nossos mais íntimos segredos são despejados freneticamente em ouvidos sequiosos de cumplicidade.
Pois bem, após anos “confessando meus pecados” em mesas de bar, tive a oportunidade de sentir na pele como o outro lado encara a situação. Normalmente, a pessoa mais sóbria da mesa ouve com atenção as confissões alheias; neste dia coube a mim este papel...
- Tens alguma tara?
Fuzilou um amigo sentado ao meu lado.
- Olha, até tenho. Qual a razão da pergunta?
Respondi um tanto quanto desconfiado.
- Eu tenho...
Voz pastosa e olhos perdidos no espaço. Após uma breve pausa continuou:
- Não sei bem se é uma tara, quer dizer, eu acho que é, mas pode ser apenas um fetiche... Na verdade, também pode ser apenas um desejo muito forte...
- Sei...
Afastei-me um pouco, olhando para os lados a procura de ajuda futura.
- Qual e a tua tara?
- Bem, na verdade eu...
- Ahh... com certeza não é mais estranha que a minha... não que eu me orgulhe dela, mas... sabes como é...
- Sei...
Não sabia de nada, tara é tara, por mais estranha que seja. Há tempos as diversas modalidades de sexo deixaram de chocar, estava começando a ficar curioso...
- Sim, me conta aí que tara tão diferente é essa (Mais uma cerveja pro nosso amigo aqui, garçom!).
- Olha... não que seja muito estranha, mas tenta não falar pra ninguém certo?
- Que é isso? Sabes que o que me falares aqui morre aqui, não te preocupes.
- Certo... mas olha, é que eu acho que existem certos tabus e...
- Fala logo!
A curiosidade falou mais alto que o medo.
- Anões besuntados...
- Anões besuntados?
- Isso...
- Mas besuntados como? Não entendi...
- Em óleo, sabe? Vários anões banhados em óleo... qualquer óleo de cozinha já serviria...
- Óleo de cozinha?
- Isso, tipo “Soya”, entendeu?
- Entendi...
Comecei a ficar preocupado.
- E tem mais...
- Mais???
Perguntei incrédulo, era impossível a coisa ficar ainda mais estranha.
- Um dos anões...
Começou a falar em voz baixa e com os olhos arregalados.
- Um dos anões tem que ser albino e estar besuntado com manteiga de lata...
Neste ponto a preocupação novamente cedeu lugar à curiosidade.
- Mas porque manteiga de lata? Não serve a de pote?
- Não... tem que ser de lata... de pote não pode...
- Sei... Mas por que apenas um anão albino? Por que não todos?
- Todos? Não, nem pensar. Isso seria uma perversão inaceitável! Fugiria totalmente dos padrões de normalidade de uma tara!
- É verdade...


7 comentários:

mina brown disse...

amei. simplesmente maravilhoso.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Eduardo Martins disse...

Obrigado, fico realmente feliz que tenha gostado.

.:DIOnisiACO:. disse...

criativo.....as histórias de bar são sempre muito boas......tá bem redigida..... no meio da leitura pensei que era eu mesmo a esá ai lado dessa figura tarada por anôes.......rsss forte abraço....continue escrevendo vc tem talento......

fuçando!! disse...

ah revelar minhas historias nao vale neh=\ eu confiei segrredo pow

Gustavo! disse...

Ah! ... As confissões de bar! Só nao piores que as das pessoas dos "15 minutos de fama"! Desesperadas pra voltar a TV... coitadas!